Santander (SANB11): Americanas (AMER3) ainda pode impactar resultados este ano; o que fazer com o papel?

Santander (SANB11): Americanas (AMER3) ainda pode impactar resultados este ano; o que fazer com o papel?
Santander (SANB11): Americanas (AMER3) ainda pode impactar resultados este ano; o que fazer com o papel?
Santander, ações
A corretora avalia que ainda há espaço para novas provisões de créditos pelo Santander (Imagem: Angel Garcia/Bloomberg)

O Santander (SANB11) pode realizar novas provisões dos créditos tóxicos da Americanas (AMER3) ao longo de 2023, segundo a Genial Investimentos.

O banco já provisionou 30% da carteira total de créditos da varejista, conforme demonstrou no balanço do quarto trimestre de 2022.

Os analistas da Genial ressaltaram que o Santander acredita que não será necessário fazer uma provisão de 100% dos créditos, mas avaliam que ainda há espaço para novas provisões.

    • Entre para o Telegram do Market Insider News! Acompanhe as notícias sobre mercado financeiro, investimentos e finanças pessoais. Notícias de hoje sobre assuntos que mexem com o seu bolso. Clique aqui e acompanhe em tempo real!

“[O Santander] pode ter algumas provisões ao longo do ano, o que impactaria os resultados”, explicam os analistas.

A Genial mantém posição cautelosa com as ações do banco, já que “a agenda não deve ser de crescimento para este ano”.

Outros fatores que devem dificultar o crescimento do papel ao longo de 2023 são:

Mont Capital - Carteira Administrada

  • inadimplência ainda alta;
  • tesouraria com resultados negativos por conta da Selic elevada; e
  • margem líquida de juros com clientes sob pressão, por conta de um mix mais cauteloso.

Os analistas da Genial calculam uma queda de 10% nos lucros do Santander este ano, frente ao ano anterior.

A perda, contudo, deve ser mais suave do que em 2022, quando o banco registrou queda de 21% de lucro na comparação anual, a R$ 12,9 bilhões.

Considerando as perspectivas para o primeiro trimestre de 2023 da companhia, a Genial mantém recomendação de venda para as ações, com preço-alvo de R$ 27.

A corretora não vê gatilhos para a valorização das ações no curto prazo e avalia que existem “outras opções no setor com valuation mais interessantes”.