Reformas ajudaram na queda da inflação do país, diz Campos Neto

Reformas ajudaram na queda da inflação do país, diz Campos Neto
Reformas ajudaram na queda da inflação do país, diz Campos Neto

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, disse nesta 3ª feira (6.fev.2024) que as reformas econômicas feitas pelo Brasil em 2023 contribuíram para a queda da inflação no país. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) fechou o ano passado em 4,62%. Em 2022, a taxa foi de 5,79%.

Em evento do BTG Pactual em São Paulo, o chefe da instituição financeira declarou que não se pode creditar a baixa do índice apenas a um “programa de transparência maior” do governo, mas também à agenda econômica que avançou no Congresso.

“Temos todo um debate se [a queda da inflação] é um efeito do acúmulo de reformas feitas no passado. Eu acho que tem. Acho difícil dizer que é só efeito de um programa de transparência maior. Acho que existe isso [o efeito das reformas] também, mas precisamos investigar mais a fundo”, declarou Campos Neto.

O presidente do BC afirmou ainda que a confirmação da meta de inflação do país dependerá da redução dos preços no setor de serviços.

Mont Capital - Carteira Administrada

“Qual será a dinâmica inflacionária daqui para frente? Com uma mão de obra muito apertada, a inflação de serviços ainda segue bastante alta. Como os preços dos serviços vão cair de forma recorrente se temos esse problema da mão de obra apertada?”, declarou Campos Neto.

Leia outros pontos mencionados por Campos Neto:

  • Meta fiscal do governo “A gente vê ali um marco que foi o momento da confirmação da meta [pelo governo federal], as inflações caíram. Sempre dizíamos que era muito difícil saber o que fazer com a política monetária sem ter certeza da meta.”
  • Erros de previsão no crescimento do país  “Depois da pandemia [de covid-19], muita coisa mudou em termos de relações macroeconômicas. Temos errado tanto e errado com explicações diferentes [as projeções de crescimento da economia brasileira]. O que sobra é pensar que estruturalmente temos alguma coisa diferente.” 
  • Efeitos do mundo endividado “O mundo saiu da pandemia muito mais endividado, estamos falando de algo perto de 20% do PIB [mundial]. O juro [global] tende a ficar mais alto por mais tempo. Esse cenário, ao longo do tempo, vai contaminando o mercado de crédito privado e isso já começou a acontecer.” 
  • Pix “A ampliação do Pix diminuiu muito a informalidade do mercado de trabalho, além de organizar a finanças de forma transparente e mais eficiente, com um custo de intermediação que caiu bastante.”