PRIO (PRIO3): Ação pode bater R$ 54 por dois motivos, segundo BofA

PRIO (PRIO3): Ação pode bater R$ 54 por dois motivos, segundo BofA
PRIO (PRIO3): Ação pode bater R$ 54 por dois motivos, segundo BofA
PRIO, Campo de Frade, PetroRio PRIO
PRIO: Nova curva de produção projetada para a companhia reflete o aumento do número de poços (Imagem: Divulgação/PRIO)

O Bank of America (BofA) passou a ver mais potencial de valorização nas ações da PRIO (PRIO3). A instituição revisou para cima o preço-alvo do ativo, de R$ 47 para R$ 54, por duas razões:

  • curva de produção maior; e
  • expectativa de menor capex (investimentos).

A atualização ocorre após a companhia divulgar dados positivos de certificação de reservas. A petroleira possui um total de 547,3 milhões de barris em reservas, aumento de 132,7 milhões de barris em relação a um ano atrás.

O relatório divulgado pela PRIO fez com que a equipe de análise do BofA revisasse as estimativas e passasse a considerar uma curva de produção maior por conta do aumento das reservas e do início do poço N5P2, cuja produção inicial estabilizada de aproximadamente 11 mil barris de óleo por dia superou as previsões.

A nova curva de produção projetada para a companhia reflete o aumento do número de poços. Para o cluster formado por Polvo e Tubarão Martelo, o banco americano está assumindo três novos poços, um no terceiro trimestre deste ano e dois em 2025. O início dessas operações deve elevar a produção total da vida útil do campo a 42 milhões de barris, diz o BofA.

Sobre o Campo de Frade, o BofA passou a assumir uma produção total de 140 milhões de barris vs. 92 milhões anteriormente.

Para Albacora Leste, o total de produção estimado subiu para 304 milhões de barris devido a:

Mont Capital - Carteira Administrada

  • perfuração de 14 poços produtores e cinco poços injetores;
  • reativação de quatro poços produtores e três poços injetores; e
  • conexão de três poços produtores que já foram perfurados pela Petrobras (PETR4).

Enquanto isso, o capex total de longo prazo esperado declinou a US$ 2,3 bilhões, 16% abaixo das expectativas anteriores, de US$ 2,8 bilhões.

Segundo o BofA, o capex de desenvolvimento por barril deve se beneficiar de um capex menor e de volumes esperados maiores. A queda esperada é de 33%, a US$ 5,10/barril, de US$ 7,60/barril.

A recomendação de “compra” foi reiterada pelo banco. A PRIO continua sendo uma das ações top picks dentro da cobertura de óleo e gás da América Latina.

O BofA acabou ajustando as previsões dos preços do petróleo para 2023 e 2024, a US$ 77/barril e US$ 90/barril, respectivamente, de US$ 100/barril e US$ 82,50/barril.