calendar
Notícias

153 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • PF cometeu excessos durante operação contra Carlos, diz Eduardo

PF cometeu excessos durante operação contra Carlos, diz Eduardo

Política 8 minutos atrás
Visitar site arrow
PF cometeu excessos durante operação contra Carlos, diz Eduardo

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) disse que a PF (Polícia Federal) cometeu “excessos” durante a operação contra seu irmão e vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro. Ele também criticou a “ampliação” da ordem judicial e chamou o ato de “ilegal” e “imoral”.

O filho 02 do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) foi alvo da nova etapa da operação que apura suposta espionagem ilegal feita pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência), durante a gestão de Alexandre Ramagem (PL-RJ), nesta 2ª feira (29.jan.2024).

Segundo publicação de Eduardo no X (ex-Twitter), o mandado de busca e apreensão era datado desta 2ª feira (29.jan), depois da “super live” que reuniu o ex-presidente, o vereador, o deputado e o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ). Ele afirmou que, “ao que tudo indica”, a ordem foi confeccionada “para que todos fossem objeto de busca com base em investigação direcionado [sic] ao Carlos”.

O deputado declarou que “o mandado era tão genérico” que foi cogitado apreender o seu celular e “das demais pessoas que por ventura estivessem na residência”. Ele afirmou que a PF perguntou se Flávio estava hospedado na casa, e por isso o seu celular não foi apreendido junto, uma vez que, segundo ele, “se fossem todos isonomicamente apreendidos, poderia haver um conflito com as prerrogativas do senador”.

Eduardo chamou de “abuso” o fato de Tércio Arnaud Tomaz, assessor do ex-presidente, ter tido seus materiais apreendidos mesmo sem ser o alvo do mandado. “O laptop e tablet continham o nome de Tercio na tela de início e ele desbloqueou os aparelhos diante dos PF. Não adiantou”, declarou.

Mont Capital - Carteira Administrada

De acordo com o congressista, os advogados da família Bolsonaro foram contatados “em razão dos excessos”, mas a PF “não aguardou os cerca de 30 minutos que faltavam para que chegassem e mantiveram a apreensão dos bens do assessor”.

Por fim, Eduardo disse que “esse estado de coisas não pode permanecer” e que uma ordem judicial não pode “ter uma ampliação dessa forma”. E declarou: “Isso é ato ilegal, além de imoral”.

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados