Original tem perdas de R$ 1,7 bi em 2022; acionistas fazem aporte

Original tem perdas de R$ 1,7 bi em 2022; acionistas fazem aporte
Original tem perdas de R$ 1,7 bi em 2022; acionistas fazem aporte

Enquanto alguns bancos digitais e fintechs começam a registrar melhoras nos resultados, num momento de maior busca por eficiência, o Banco Original voltou a ter perdas na última linha do balanço. Em 2022, a instituição controlada pelo grupo J&F teve um prejuízo líquido de R$ 1,66 bilhão, após o primeiro (e modesto) lucro anual, apurado em 2021.

Nas demonstrações financeiras referentes ao ano passado, o Original informa que 2022 foi um ano de “ajustes estratégicos”. Ao longo do segundo semestre, houve mudanças no corpo diretivo do banco — leia-se, a troca de CEO — e uma busca de maior sinergia com empresas que fazem parte da holding, especialmente o PicPay.

Nessa direção, uma das iniciativas é a migração da operação de varejo para o super app, um movimento reportado em detalhes pelo Finsiders em fevereiro deste ano. A explicação para isso tem a ver com o aumento brutal da inadimplência na carteira de crédito pessoa física, o que fez a instituição reforçar como nunca antes o provisionamento contra perdas. Em 2022, a provisão para perdas esperadas em operações de crédito atingiu R$ 4,25 bilhões, um aumento de mais de 700% em relação ao ano anterior.

No balanço, o banco reconhece esse quadro de deterioração do portfólio. “O Original em 2022 foi impactado pela maior inadimplência na carteira de crédito pessoa física, situação que afetou o mercado financeiro de forma geral. Diante do exposto, a administração decidiu por seguir diligente
em seus provisionamentos”, escreveu a instituição.

Além disso, os acionistas do Original precisaram injetar mais recursos no banco, que somaram cerca de R$ 600 milhões ao longo do ano passado — no início de 2022, a instituição vinha dizendo que não precisaria mais de investimentos da holding. Após o aporte, o capital foi elevado para R$ 4,2 bilhões, com a aprovação do Banco Central (BC) publicada nesta sexta-feira (14) no Diário Oficial da União.

Em fevereiro, o regulador também deu aval para um aumento de capital de R$ 150 milhões do PicPay, que recebeu aporte dos acionistas para seu plano de investimentos com foco em crescimento e rentabilidade, segundo afirmou a fintech à época.

Mas voltando ao balanço do Original…

O resultado bruto da intermediação financeira teve um incremento de 71% entre um ano e outro, chegando a R$ 2,3 bilhões ao final de 2022. As receitas de prestação de serviços somaram R$ 442,8 milhões, contra R$ 209,6 milhões, na mesma base de comparação. As receitas com tarifas bancárias, por sua vez, ficaram em R$ 145,2 milhões, leve recuo ante os R$ 149,9 milhões apurados em 2021.

Em 2022, a carteira de crédito cresceu 29,4%, para R$ 16,6 bilhões. A maior parte (R$ 9,5 bilhões ou 57,3% do total) do portfólio é de operações com pessoas físicas. Os segmentos de comércio (R$ 2,64 bilhões) e rural (R$ 2 bilhões) também respondem por fatias relevantes da carteira.

Mont Capital - Carteira Administrada

No Original Hub, a divisão de banking as a service (BaaS), foram processadas mais de 490 milhões de transações, quase o dobro em relação a 2021. Por meio da plataforma aberta do banco, players do setor e empresas não financeiras podem usar a prateleira de APIs do Original para oferecer serviços financeiros aos seus clientes.

Leia também:

Sinal dos tempos: PicPay tem primeiro lucro e mira eficiência

Inadimplência de cartão desafia fintechs em 2023, aponta Fitch

Prejuízo do C6 Bank mais do que triplica em 2022

Creditas reduz prejuízo no 4º trimestre, mas perdas crescem 50% em um ano