Nova vacina contra a malária oferece alta proteção, diz estudo

Nova vacina contra a malária oferece alta proteção, diz estudo
Nova vacina contra a malária oferece alta proteção, diz estudo

A 3ª fase de testes da R21/Matrix-M, vacina contra a malária desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo Instituto Serum da Índia, indica que o imunizante protege 3 em cada 4 crianças. Um estudo com os resultados do ensaio clínico foi publicado na 5ª feira (1º.fev.2024) na revista científica The Lancet. Eis a íntegra, em inglês (PDF – 389 kB).

A vacina foi pré-qualificada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em dezembro. O passo é obrigatório para a aquisição de vacinas pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e por iniciativas que fornecem vacinas a populações carentes. Essa é a 2ª vacina contra a malária a receber o aval da OMS. A 1ª (RTS,S/AS01) foi desenvolvida pela farmacêutica GSK.

O estudo foi feito com 4.800 crianças em 4 países africanos: Burkina Faso, Quênia, Mali e Tanzânia. Foi registrado 78% de eficácia do imunizante ao longo do 1º ano de acompanhamento do grupo etário de 5 a 17 meses.

Os dados de segurança do ensaio foram tranquilizadores, sem quaisquer eventos adversos graves associados à imunização. Nenhuma outra vacina relatou eficácia superior a 55% na mesma faixa etária”, lê-se em comunicado da Universidade de Oxford. “Uma dose de reforço anual manteve boa eficácia durante os 6-12 meses seguintes”, completa.

De forma geral, a vacina preveniu 75% dos casos de malária em crianças de 5 a 36 meses que receberam 3 doses do imunizante antes da temporada de pico da malária. Nas áreas onde a transmissão ocorre durante todo o ano, a prevenção foi de 68%.

Mont Capital - Carteira Administrada

O professor Adrian Hill, investigador-chefe da 3ª fase do ensaio clínico da R21/Matrix-M, disse que “a alta eficácia” da vacina “é muito encorajadora” e o imunizante representa uma “nova ferramenta importante para o controle da malária”.

Adar Poonawalla, CEO do Instituto Serum, afirmou que o estudo “marca um avanço significativo” na batalha contra a “ameaça global” representada pela malária.

Estamos empenhados em disponibilizar esta vacina, especialmente na África, onde a malária representa uma ameaça substancial para milhões de vidas”, declarou.

A malária é transmitida por mosquitos. Segundo a OMS, ela representa uma carga especialmente alta para as crianças na região africana, onde quase meio milhão de morrem da doença a cada ano. Em 2022, estimou-se 249 milhões de casos de malária e 608 mil mortes pela doença em 85 países.