calendar
Notícias

14 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Leia o que Bolsonaro, Heleno e Torres falaram em vídeo apreendido pela PF

Leia o que Bolsonaro, Heleno e Torres falaram em vídeo apreendido pela PF

Política 11 minutos atrás
Visitar site arrow
Leia o que Bolsonaro, Heleno e Torres falaram em vídeo apreendido pela PF

Investigação da Polícia Federal diz que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teria promovido uma reunião em 5 de julho de 2022 com o objetivo de “cobrar dos presentes conduta ativa na promoção da ilegal desinformação e ataques à Justiça Eleitoral”.

Teriam participado da reunião:

  • Jair Bolsonaro, então presidente;
  • Anderson Torres, então ministro da Justiça;
  • general Augusto Heleno, então chefe do GSI;
  • general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, então ministro da Defesa;
  • general Braga Netto, ex-ministro-chefe da Casa Civil;
  • general Mário Fernandes, então chefe-substituto do GSI.

O teor da reunião consta em vídeo “identificado em computador apreendido” na casa de Mauro Cid. As imagens e a íntegra do encontro, no entanto, seguem em sigilo. Há as transcrições de alguns trechos no relatório da PF usado pelo ministro Alexandre de Moraes para autorizar a operação desta 5ª feira (8.fev.2024) contra o ex-presidente e seus aliados. 

De acordo com o relatório da PF, Bolsonaro teria exigido que os ministros do governo, “em total desvio de finalidade das funções do cargo”, deveriam “promover e replicar, em cada uma de suas respectivas áreas, todas as desinformações e notícias fraudulentas quanto à lisura do sistema de votação”.

Na sequência, há uma declaração de Bolsonaro:

“Daqui pra frente quero que todo ministro fale o que eu vou falar aqui, e vou mostrar. Se o ministro não quiser falar ele vai vim falar para mim porque que ele não quer falar. Se apresentar onde eu estou errado eu topo. Agora, se não tiver argumento pra me ti… demover do que eu vou mostrar, não vou querer papo com esse ministro. Tá no lugar errado. Se tá achando que eu vou ter 70% dos votos e vou ganhar como ganhei em 2018, e vou provar, o cara tá no lugar errado.”

Apenas pela frase atribuída ao ex-presidente não é possível dizer com 100% de certeza que a interpretação da PF a respeito de promover “desinformações e notícias fraudulentas” é correta.

Segundo a PF, Bolsonaro então passa a falar de ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) e questiona a “isenção” de 3 deles: Alexandre de Moraes, Edson Fachin e Roberto Barroso. Eis o que ele diz:

“Porque os cara tão preparando tudo, pô! Pro Lula ganhar no primeiro turno, na fraude. Vou mostrar como e porquê. Alguém acredita aqui em FACHIN, BARROSO, ALEXANDRE DE MORAES? Alguém acredita? Se acreditar levanta o braço! Acredita que eles são pessoas isentas, tão preocupado em fazer justiça, seguir a Constituição? De tudo que são… Tão vendo acontecer?”.

Depois, o ex-presidente fala de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

“Não tem como esse cara ganhar a eleição no voto. Não tem como ganhar no voto. […] também, eu não vou passar aqui, em 2014 foi aprovado o voto impresso no Congresso, tá fora do foco, né, fora da … do radar nosso, nem lembrava disso, que depois também o nosso Supremo derrubou. O nosso Supremo aqui é um poder à parte. É um super Supremo. Eles decidem tudo. Fora… Muitas vezes fora das quatro linhas.”

“TODOS VÃO SE FODER”

A palavra é passada para Anderson Torres. O documento da Polícia Federal afirma que o então ministro relata o que aconteceria no caso de uma vitória do PT: “E o exemplo da Bolívia é o grande exemplo para todos nós. Senhores, todos vão se foder! Eu quero deixar bem claro isso […] Eu quero que cada um pense no que pode fazer previamente porque todos vão se foder”.

Não há menções ao PT nem a Lula nas frases de Torres destacadas pela PF.

Torres menciona de fato o Partido dos Trabalhadores ao falar de uma suposta ligação entre a legenda e o PCC, facção criminosa conhecida como Primeiro Comando da Capital. Leia abaixo o que ele disse:

“Mas estamos aí, presidente, desentranhando a velha relação do PT com o PCC. A velha relação do PT com o PCC. Isso tá vindo aí através de depoimentos que estão há muito guardados aí… isso aí foi feito ó. Tá certo? Isso tudo tá vindo à tona. Isso não é mentira. Isso não é mentira.”

REUNIÕES COM OS COMANDANTES

Presente à reunião, o então ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, diz que está realizando reuniões “quase que semanalmente” com os “comandantes de Força”. Afirma que estão discutindo, sem dar detalhes nem a que está se referindo, ações para que as eleições transcorram da forma como eles sonham.

Eis a fala do militar:

“Pra encerrar… senhor Presidente eu estou realizando reuniões com os Comandantes de Força quase que semanalmente. Esse cenário, nós estudamos, nós trabalhamos. Nós temos reuniões pela frente, decisivas pra gente ver o que pode ser feito; que ações poderão ser tomadas pra que a gente possa ter transparência, segurança, condições de auditoria e que as eleições se transcorram da forma como a gente sonha! E o senhor, com o que a gente vê no dia a dia, tenhamos o êxito de reelegê-lo e esse é o desejo de todos nós.”

Mont Capital - Carteira Administrada

“PERDER A DEMOCRACIA”

Em outro momento da reunião, Bolsonaro sugere que Fachin e Barroso estariam “levando” US$ 30 milhões cada um, e que Moraes estaria “levando” US$ 50 milhões. Fala que “algo esquisito” estaria acontecendo, mas não há detalhes do que seria.

“Pessoal, perder uma eleição não tem problema nenhum. Nós não podemos é perder a Democracia numa eleição fraudada! Olha o Fachin. Os caras não têm limite. Eu não vou falar que o Fachin tá levando 30 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. O… que o Barroso tá levando 30 milhões de

dólares. Não vou falar isso aí. Que o Alexandre de Moraes tá levando 50 milhões de dólares. Não vou falar isso aí. Não vou levar pra esse lado. Não tenho prova, pô! Mas algo esquisito está acontecendo.”

“NÃO VAI TER REVISÃO DO VAR”

A partir do relatório da PF, Moraes diz que ficou “demonstrada” na reunião que havia um “ilícito núcleo de inteligência paralela”. De acordo com a corporação, o general Heleno fala em “infiltrar agentes nas campanhas eleitorais”. A ideia, no entanto, teria sido rejeitada por Bolsonaro.

A fala de Heleno, entretanto, não deixa clara essa intenção de usar infiltrados nas campanhas adversárias. Ele fala em “virar a mesa” e “dar um soco na mesa” antes das eleições. Leia abaixo o que disse o general, segundo a PF:

“Não vai ter revisão do VAR. Então, o que tiver que ser feito tem que ser feito antes das eleições. Se tiver que dar soco na mesa é antes das eleições. Se tiver que virar a mesa é antes das eleições […] Eu acho que as coisas têm que ser feitas antes das eleições. E vai chegar a um ponto que nós não vamos poder mais falar. Nós vamos ter que agir. Agir contra determinadas instituições e contra determinadas pessoas. Isso pra mim é muito claro.” 

Para Moraes, as transcrições da reunião de 5 de julho de 2022 revelam “o arranjo da dinâmica golpista” no sentido de “validar e amplificar a massiva desinformação e as narrativas fraudulentas sobre as eleições e a Justiça Eleitoral”.  

OPERAÇÃO TEMPUS VERITATIS

A PF (Polícia Federal) deflagrou nesta 5ª feira (8.fev.2024) uma operação contra Jair Bolsonaro e aliados por suposta tentativa de golpe na gestão do ex-presidente. A Justiça determinou que o ex-chefe do Executivo entregue seu passaporte para a PF.

Veja abaixo os principais alvos da operação:

 

Os agentes cumprem 33 mandados de busca e apreensão, 4 mandados de prisão preventiva e 48 medidas alternativas, como a proibição de manter contato com os demais investigados, a proibição de se ausentarem do país, com entrega dos passaportes no prazo de 24 horas e suspensão do exercício de funções públicas. 

As buscas são realizadas no Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e no Distrito Federal. As medidas judiciais foram expedidas pelo STF (Supremo Tribunal Federal). 

Em nota, a PF disse que a operação apura “organização criminosa que atuou na tentativa de golpe de Estado e abolição do Estado Democrático de Direito, para obter vantagem de natureza política com a manutenção do então presidente da República no poder”. 

Veja imagens das buscas em Brasília registradas pelo repórter fotográfico do Poder360 Sérgio Lima: 

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados