Joice ironiza operação contra Carlos Bolsonaro: “Toc, toc, toc”

Joice ironiza operação contra Carlos Bolsonaro: “Toc, toc, toc”
Joice ironiza operação contra Carlos Bolsonaro: “Toc, toc, toc”

A ex-deputada federal Joice Hasselmann publicou nesta 2ª feira (29.jan.2024) um vídeo em seu perfil no X (ex-Twitter) em que ironiza a operação da PF (Polícia Federal) que tem como um dos alvos o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“Carluxo: ‘Toc, toc, toc’. Quem é? ‘É a Polícia Federal’”, diz a ex-congressista, enquanto simula um brinde.

Assista (35s):

Na publicação, Hasselmann recria um discurso feito por ela em 2022, no plenário da Câmara dos Deputados. Na ocasião, a então deputada satirizou investigações em curso contra Bolsonaro.

O vídeo viralizou nas redes sociais e, desde então, é usado como meme quando a PF anuncia uma nova operação.

Mont Capital - Carteira Administrada

Em 2018, quando foi eleita deputada, Joice era uma das principais aliadas do presidente Bolsonaro. Foi nomeada líder em 2019. No 2º semestre, começou a divergir em questões, o que levou a um desgaste. Em outubro, foi retirada da posição, rompeu com o presidente e se tornou uma das críticas mais frequentes do governo.

A OPERAÇĀO

A PF cumpriu nesta 2ª feira (29.jan) uma nova etapa da operação que apura suposta espionagem ilegal feita pela Abin (Agência Brasileira de Inteligência) durante a gestão de Alexandre Ramagem (PL-RJ), diretor do órgão no governo Bolsonaro. Um dos alvos é Carlos Bolsonaro.

Segundo apurou o Poder360, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa de Carlos, em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na casa de praia da família em Angra dos Reis (RJ). O advogado do vereador, Antonio Carlos Fonseca, acompanha as buscas da PF. A defesa ainda não se pronunciou sobre a operação.

A PF investiga se Carlos recebia informações ilegais da Abin. Ao todo, a corporação realiza 9 buscas no Rio de Janeiro (5), Angra dos Reis (1), Brasília (1), Formosa (1) e Salvador (1). O objetivo é “avançar no núcleo político, identificando os principais destinatários e beneficiários das informações produzidas ilegalmente na Abin”, segundo comunicado.

Segundo dados da PF, a agência de inteligência agiu para ajudar a família Bolsonaro em diferentes investigações. A Abin teria preparado relatórios para ajudar os advogados do senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) no caso das rachadinhas. Teria também tentado produzir provas a favor de Renan Bolsonaro no inquérito sobre suposto tráfico de influência.