Inflação médica no Brasil pode chegar a 14% em 2024, diz pesquisa

Inflação médica no Brasil pode chegar a 14% em 2024, diz pesquisa
Inflação médica no Brasil pode chegar a 14% em 2024, diz pesquisa

A inflação médica no Brasil pode atingir 14,1% em 2024, segundo projeção da consultoria AON. A taxa é mais de 10 pontos percentuais acima do esperado para a inflação geral projetada pelo Boletim Focus, de 3,86%. Eis a íntegra da pesquisa (PDF 2 MB).

No mundo, a expectativa é que o percentual chegue a 10,2%, o mais alto dos últimos 9 anos. Na América Latina e no Caribe, a inflação médica teve um aumento de 0,1 p.p (para 11,7%), enquanto a África e o Oriente Médio registraram 15,1%. A Europa tem previsão de 10,4%.

Ao mesmo tempo, o estudo classifica a situação da América do Norte como um “paradoxo”. Apesar de a expectativa para 2024 ser de 7,6% –a mais alta desde 2014 para a região– representa o menor aumento de todas as regiões mundiais analisadas. O 2º menor foi registrado para a Ásia-Pacífico, com um aumento de 0,5 p.p.

As principais condições médicas que levam ao aumento das despesas segundo a AON são casos de câncer; problemas cardiovasculares; pressão alta e hipertensão. Outras causas incluem diabetes, dores musculares, nos ossos e especialmente na coluna; problemas no sistema respiratório e problemas relacionados à saúde mental.

Apesar de o câncer e problemas cardiovasculares serem comumente associados a fatores como alimentação, poluição do ar e o uso excessivo de drogas e álcool, são o sedentarismo e o estresse que lideram a lista de principais riscos citados na pesquisa.

Busca por redução de custos

No Brasil, os planos de saúde familiares e individuais são regulamentados pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), que estabeleceu um teto de 9,63%. Já os planos de saúde coletivos, aqueles contratados pelas empresas para os colaboradores, tem seus reajustes determinados por cada operadora, podendo deixar as empresas mais suscetíveis à inflação.

Mont Capital - Carteira Administrada

Em escala mundial, empresas têm investido tempo e dinheiro no bem-estar dos colaboradores para reduzir as despesas com seguros médicos. Segundo a pesquisa, 83% dos empregadores têm estratégias de bem-estar nos planejamentos.

O Brasil é um dos países que cita o bem-estar como a principal prioridade para mitigar os custos de planos de saúde coletivos, que são 25% dos 113 países analisados pela AON. A expectativa para inflação geral no mundo em 2024 é de 3,6% – a médica é 6,5 p.p. a mais.

Além das empresas, usuários também buscaram opções mais econômicas ante a alta nos preços médicos. A procura por seguros mais baratos foi a principal causa para a busca de troca de operadoras no Brasil em 2023, que aumentou 13,5% em comparação a 2022.

Segundo a ANS, ao longo de todo o ano, 378.220 protocolos de consultas sobre portabilidade foram criados– 45.087 a mais do que os registrados em 2022. Destes, 40% buscavam opções mais baratas, enquanto 21% queriam uma melhor rede prestadora de serviços.

Reclamações também aumentaram

As reclamações envolvendo troca de operadoras em planos de seguros cresceram 60% nos últimos 5 anos. Segundo dados da ANS, 2023 teve o maior número de queixas relacionadas à Portabilidade de Carências, com 3.404 ocorrências registradas pela entidade.

A ANS é o principal canal de recebimento de demandas de usuários de planos de saúde no país e atua fortemente na intermediação de conflitos entre beneficiários e operadoras, através da NIP (Notificação de Intermediação Preliminar), ferramenta criada pela ANS para agilizar a solução de problemas relatados pelos consumidores.