calendar
Notícias

181 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Governo Lula propõe ao Paraguai queda de 11,6% na tarifa de Itaipu

Governo Lula propõe ao Paraguai queda de 11,6% na tarifa de Itaipu

Economia 7 minutos atrás
Visitar site arrow
Governo Lula propõe ao Paraguai queda de 11,6% na tarifa de Itaipu

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) propôs ao Paraguai uma redução de 11,6% na tarifa paga pela energia produzida na hidrelétrica de Itaipu. O Poder360 apurou que a proposta feita foi de US$ 14,77 por kW (quilowatt). O valor atual é da taxa é de US$ 16,71 por kW. O Paraguai, por outro lado, quer aumentar para US$ 20,75, ou seja, um reajuste de 24%.

Representantes dos 2 países se reuniram na 2ª feira (6.fev.2024) na sede da estatal Itaipu Binacional em Foz do Iguaçu (PR). Do lado brasileiro, estavam os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Mauro Vieira (Relações Exteriores). A reunião terminou longe de um consenso e não há expectativa de quanto tempo pode durar a negociação.

Há um impasse sobre a definição dos valores que vão vigorar em 2024, o que tem travado o orçamento da estatal. Como mostrou o Poder360, os interlocutores do governo brasileiro avisaram que Lula não aceitará a proposta do presidente do Paraguai, Santiago Peña.

A decisão foi embasada em estudos feitos pelo Ministério de Minas e Energia que indicaram que o aumento proposto não faz sentido e que não há espaço para isso. O grande temor do governo é com o impacto na conta de luz para os consumidores regulados (atendidos pelas distribuidoras), que arcam com o contrato.

Embora o desejo de Lula e do governo seja de redução da tarifa, ajudando a baixar a conta de luz no país, com a pressão paraguaia por um aumento, a tendência é que o Brasil aceite um acordo para manter a taxa atual.

Os representantes do governo paraguaio rejeitaram a ideia de redução ou mesmo manutenção da tarifa atual. Mas ficaram de levar ao presidente do país a posição do governo brasileiro antes de uma nova rodada de negociação.

Peña foi eleito com a promessa de renegociar as tarifas de Itaipu com o Brasil. O governo do país vizinho considera que os atuais valores pagos pelo excedente de energia paraguaio são baixos e quer um aumento para ajudar a financiar investimentos internos. 

ENTENDA O IMPASSE

A geração de energia da usina de Itaipu é dividida: 50% para cada país. Historicamente, porém, o Paraguai usa cerca de 17%. A sobra era vendida ao Brasil a preço de custo.

A previsão consta no chamado Anexo C do Tratado de Itaipu, assinado entre Brasil e Paraguai em 1973, quando as duas nações firmaram uma sociedade binacional para a construção da usina. Em fevereiro de 2023, a empresa quitou as últimas parcelas da dívida contraída há 50 anos para erguer o empreendimento. 

Mont Capital - Carteira Administrada

Com o fim da dívida e da vigência deste anexo, a negociação da taxa, chamada de Cuse (Custo Unitário dos Serviços de Eletricidade), passou a ser definida anualmente em comum acordo entre Brasil e Paraguai.

O mesmo dilema foi enfrentado no ano passado, mas em proporções menores. A diferença é que desta vez o Paraguai se recusou a assinar o documento responsável por permitir que a usina funcione provisoriamente enquanto as partes chegam a um consenso. 

Diante do impedimento, o orçamento da estatal binacional acabou bloqueado e tanto o Brasil como o Paraguai ficaram impedidos de pagar seus fornecedores, até mesmo os funcionários. 

Isso afeta também os planos de investimentos, como a possibilidade de patrocínio da parte brasileira à COP30, a Conferência do Clima da ONU (Organização das Nações Unidas). Como mostrou o em Belém (PA), em 2025, o governo Lula espera R$ 1 bilhão da usina para o evento, que será em Belém (PA), em 2025.

O Anexo C do tratado, que estabelece as bases financeiras, firmou que o Paraguai estaria proibido de vender o excedente energético para outros países, sendo obrigado a vender ao Brasil a preço de custo. Isso porque o Paraguai entrou em dívida com o Brasil no processo de construção da usina.

Com o fim da dívida, Brasil e Paraguai precisam redefinir os termos do anexo. Trata-se de uma discussão que vai além da fixação tarifária e é mais complexa, mas que também passa pelo tema. 

No ano passado, Peña chegou a afirmar que não pretendia retirar a cláusula de exclusividade de venda do excedente. No entanto, caso o governo brasileiro se mantenha irredutível de rever os valores, os paraguaios podem acabar optando pelo fim da obrigação em busca de um país que pague mais.

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados