EUA restabelecerão sanções contra Venezuela, diz jornal

EUA restabelecerão sanções contra Venezuela, diz jornal
EUA restabelecerão sanções contra Venezuela, diz jornal

O governo do presidente Joe Biden restabelecerá sanções no setor de energia da Venezuela se o país mantiver a proibição de María Corina Machado, principal opositora de Nicolás Maduro, de concorrer à presidência, afirmaram oficiais dos EUA nesta 2ª feira (29.jan.2024).

Em entrevista à Bloomberg, autoridades afirmaram que Biden não renovará a Licença Geral 44, que autoriza a compra de petróleo venezuelano pelos Estados Unidos. A licença seguirá em vigor até 18 de abril.

Ainda segundo o site norte-americano, há a possibilidade de implementação de medidas punitivas adicionais contra a Venezuela.

Os EUA revisam a suspensão de sanções acordadas em outubro, quando o país norte-americano concordou em aliviar as punições comerciais ao setor de petróleo da Venezuela em troca de eleições presidenciais livres e monitoradas internacionalmente em 2024.

Mont Capital - Carteira Administrada

Na 6ª feira (26.jan), porém, a Suprema Corte da Venezuela confirmou a inelegibilidade de María Corina Machado, candidata de oposição ao regime de Nicolás Maduro. Em outubro de 2023, ela venceu as eleições primárias da oposição para enfrentar o presidente venezuelano no pleito presidencial deste ano, ainda sem data para ser realizado.

O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Matthew Miller, disse que a decisão da Suprema Corte do país sul-americano “contradiz o compromisso assumido pelos representantes de Nicolás Maduro de organizar eleições presidenciais justas em 2024”.

Outros países sul-americanos também condenaram a decisão. É o caso do Equador, da Argentina, e do Uruguai. Esse último disse que observa com “grande preocupação” as “inabilitações judiciais” de opositores políticos, enquanto a Argentina lamentou a decisão de inelegibilidade de Corina.