calendar
Notícias

156 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Estatal de economia mista pode demitir sem justa causa, diz Moraes

Estatal de economia mista pode demitir sem justa causa, diz Moraes

Política 36 segundos atrás
Visitar site arrow
Estatal de economia mista pode demitir sem justa causa, diz Moraes

O ministro STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes entendeu que empresas de economia mista podem demitir sem justa causa funcionários admitidos por concurso.

Segundo Moraes, apesar de a contratação em companhias públicas do tipo ser feita por meio de concurso público, a Constituição Federal não estabelece que a demissão deve ser justificada. O magistrado entende que as empresas de economia mista estão sujeitas ao mesmo regime jurídico que privadas. 

“A Constituição, a meu ver, claramente sujeita o regime jurídico dessas empresas [de economia mista] ao regime de empresas privadas. E nesse regime, não há necessidade de motivação para a dispensa de seus empregados”, disse o ministro. 

O relator também declarou que a dispensa sem justa causa não é arbitrária e que os cargos dos funcionários demitidos devem ser preenchidos com candidatos admitidos por concurso público. 

“Precisamos afastar aquela nuvem que fica, às vezes, de que permitir a dispensa sem justa causa seria permitir que os novos gestores, que a cada 4 anos assumem após as eleições, pudessem modelar a empresa como bem entendessem. O concurso público não pode ser afastado, salvo em poucos casos de cargos em função de confiança. Então nós temos que afastar essa nuvem de que defender a dispensa imotivada nessas hipóteses como instrumento de gestão concorrencial é possibilitar politicagem nas nomeações. Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, disse.

A ação é a 1ª da pauta do STF desta 4ª feira (7.fev) e tem repercussão geral. Ou seja, a decisão da Corte poderá ser aplicada a outros casos semelhantes que tramitam na Justiça. Desde 2019, a tramitação de todas as ações semelhantes foram suspensas a pedido do relator do caso.

Moraes apresentou o seu voto nesta 4ª feira (7.fev) no plenário físico da Corte. O julgamento será retomado na 5ª feira (8.fev) depois da apresentação das sustentações orais na ação que trata do uso de trajes religiosos em fotos para documentos. 

Mont Capital - Carteira Administrada

ENTENDA

O caso concreto trata de uma ação apresentada por 5 funcionários demitidos pelo Banco do Brasil. Eles afirmam que foram admitidos por concurso público e demitidos pelo banco em abril de 1997 sem motivação.

Os autores da ação argumentam que o banco estatal infringiu princípios constitucionais ao demiti-los sem justa causa. O Banco do Brasil, por outro lado, afirma que a estabilidade de funcionários públicos é inválida para empresas de economia mista.

Em ação enviada à Justiça do Trabalho, os funcionários pediram reintegração aos seus cargos e o pagamento dos valores que deixaram de receber no período em que ficaram afastados.

Inicialmente, o pedido foi acolhido pela 10ª Junta de Conciliação e Julgamento de Fortaleza, mas foi revogado depois de um recurso do banco pelo Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. 

A Justiça entendeu que empresas públicas se sujeitam ao regime jurídico de empresas privadas, descartando a necessidade de motivação para os atos administrativos. 

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados