Cielo (CIEL3): Ações sobem, após OPA do BB (BBAS3) e Bradesco (BBDC4), mas analistas veem futuro difícil

Cielo (CIEL3): Ações sobem, após OPA do BB (BBAS3) e Bradesco (BBDC4), mas analistas veem futuro difícil
Cielo (CIEL3): Ações sobem, após OPA do BB (BBAS3) e Bradesco (BBDC4), mas analistas veem futuro difícil
cielo ações sobem posições otimistas oferta opa bradesco banco do brasil fechamento capital sair bolsa b3
Cielo (CIEL3) não terá vida fácil no mercado de meios de pagamento, mesmo com fechamento de capital  (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

O fechamento de capital da Cielo (CIEL3) foi bem recebido pelo mercado, a julgar pela forte alta das suas ações nesta terça-feira (6). Por volta das 12h30, os papéis subiam 3,78%, para R$ 5,22.

Trata-se da resposta dos investidores e analistas à oferta pública de aquisição (OPA) lançada pelo Banco do Brasil (BBAS3) e Bradesco (BBDC4) ontem, cujo objetivo é adquirir todas as ações da Cielo em circulação no mercado e cancelar sua listagem na Bolsa brasileira.

Para os analistas da XP investimentos, Bernardo Guttmann, Matheus Guimarães e Rafael Nobre,  a OPA é positiva para a empresa de meios de pagamento.

Segundo a XP, sair da Bolsa permitirá mais flexibilidade na tomada de decisão, sem acionistas minoritários, além da redução da necessidade de lucro como companhia fechada e uma redução do nível de disclosure com a deslistagem e consequente acesso pelos concorrentes.

Mas nem tudo será fácil para a Cielo, daqui para a frente. Eduardo Nishio, Wagner Biondo e Felipe Oller, da Genial, afirmam que “o cenário à frente ainda é nebuloso em termos de competição e guerra de preços”.

A corretora reiterou sua recomendação de manutenção para as ações, ajustando o preço-alvo para R$ 5,20. Além disso, a Genial não acredita que haverá supervalorização além do preço da oferta.

“Do ponto de vista dos negócios, acreditamos que para o BB, Bradesco e Cielo, o fechamento de capital faz sentido. O cenário de adquirência passou por mudanças significativas e a perspectiva de um negócio consistentemente rentável é baixa”, afirmaram os analistas.

Também, Daniel Vaz, Silvio Dória e Gabriel Pucci, analistas do Banco Safra, enxergam um ano de 2024 complicado para a Cielo, com riscos causados pelo cenário extremamente competitivo, apesar dos resultados melhores do que o esperado.

Cielo (CIEL3): O que se sabe sobre a OPA do Bradesco e do Banco do Brasil

Atualmente, o Bradesco detém 30,06% das ações, BB 28,65%, e 40,57% estão em circulação no mercado (free float). A proposta visa elevar a participação do Bradesco para 49,99% do capital da Cielo, e de 50,01% pelo Banco do Brasil.

Com a OPA, o capital da empresa será fechado e o preço ofertado por ação será de R$ 5,35, 6,4% acima do fechamento do papel, ajustado por proventos, como o Juros sobre Capital Próprio (JCP) e dividendos.

Mont Capital - Carteira Administrada

O movimento ainda depende da aprovação de sócios minoritários na B3. A Cielo não é a primeira empresa a seguir esse caminho. Em 2012, a Rede foi retirada da Bolsa pelo Itaú, já em 2022 foi a vez da GetNet, após uma decisão do Santander Espanha, que controla a empresa através da subsidiária PagoNxt.

Com a OPA, a Cielo teria uma conversão de registro de companhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), saindo da categoria “A” para a “B”, ou seja, é uma companhia cujos valores mobiliários negociados não são ações ou equivalentes.

Outra questão que é discutida é o papel da Cateno, joint venture criada entre BB e Cielo, e a recompra da participação pelo próprio Banco do Brasil.

No ano passado, a empresa registrou um lucro líquido de R$ 1,1 bilhão, ante R$ 560 milhões em 2021.

Cielo apresenta lucro de R$ 480,8 milhões no 4T23

O quarto trimestre de 2023 (4T23) trouxe números positivos para a empresa. A Cielo teve um lucro líquido recorrente de R$ 480,8 milhões, 5,3% maior que o terceiro trimestre de 2023.

No ano passado, o lucro líquido recorrente foi de R$ 1,864 bilhão, o maior resultado desde 2018.

O Ebitda (lucro antes de juros, tributos, depreciação e amortização) chegou a R$ 999,6 milhões, em uma alta de 9,3%.