calendar
Notícias

533 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Bolsas sobem antes de dado-chave de inflação nos EUA; ata do Fomc, vendas no varejo brasileiro e mais destaques

Bolsas sobem antes de dado-chave de inflação nos EUA; ata do Fomc, vendas no varejo brasileiro e mais destaques

Mercado Financeiro 11 meses atrás
Visitar site arrow
Bolsas sobem antes de dado-chave de inflação nos EUA; ata do Fomc, vendas no varejo brasileiro e mais destaques

Os índices futuros dos Estados Unidos e bolsas da Europa operam com alta, mesma direção de fechamento dos mercados asiáticos nesta quarta-feira (12), com investidores à espera da divulgação do Índice de Preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA. O consenso Refinitiv projeta alta de 0,2% na base mensal e alta de 5,2% na base anual.

Ata da reunião do último Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) também será divulgada hoje e deve oferecer mais pistas sobre a visão por trás da alta de 25 pontos-base do banco central após o colapso do Silicon Valley Bank e a crise que abalou o setor bancário global.

Por aqui, Ibovespa saltou 4,29%, indo aos a 106.213 pontos, na véspera (11), impulsionado pela desaceleração do IPCA, além da expectativa sobre a entrega do novo arcabouço fiscal, que também levaram a uma queda expressiva do dólar na sessão.

Ibovespa hoje: acompanhe o que movimenta Bolsa, Dólar e Juros Ao Vivo

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, confirmou na última terça-feira que a proposta da nova âncora fiscal só será enviada ao Congresso na próxima semana, após o envio do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 na sexta-feira, 14. Segundo ela, as últimas mudanças não foram fechadas a tempo de o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, assinarem o texto antes de viajarem à China.

Em indicadores, saem os dados de vendas do varejo, com consenso Refinitiv prevendo alta de 3,2% na base mensal e de 1,4% na base anual.

1.Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA operam com leve alta nesta manhã de quarta-feira, à medida que investidores se preparam para os dados de inflação ao consumidor de março e ata do Fomc, que podem determinar uma pausa ou a continuidade do ciclo de aperto monetário do Federal Reserve (Fed).

Além disso, o presidente do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari, disse na véspera acreditar que a inflação na economia dos EUA se aproximará da meta do banco central de 2% em 2024.

Ele acrescentou que está “menos otimista” do que o mercado de títulos e que os mercados também estão vendo um declínio mais rápido na inflação do que as expectativas.

A saúde da economia americana será posta à prova com o início da temporada de resultados do primeiro trimestre. Gigantes do setor bancário JPMorgan, Wells Fargo e Citigroup divulgarão seus resultados na sexta-feira, assim como a gigante da saúde UnitedHealth, que devem trazer a maior queda nos lucros desde a recessão iniciada pela covid.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,15%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,08%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,02% 

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam com alta, com exceção da Bolsa de Hong Kong, enquanto agentes do mercado aguardam por dados de inflação vindos dos EUA.

No Japão, o Nikkei 225 subiu 0,57%, para 28.082 pontos, com investidores digerindo o índice de preços ao produtor do Japão e o relatório de pedidos de maquinário.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) informou em seu último relatório de estabilidade financeira que o banco central do Japão deveria ter mais flexibilidade em seu esquema para manter o rendimento de seus títulos do governo japonês de 10 anos em torno de 0%.

O índice Hang Seng, de Hong Kong, caiu 0,86%, enquanto o Shanghai Composite, da China subiu 0,41% para 3.327,18 pontos.

A taxa de desemprego da Coreia do Sul, por sua vez, subiu para 2,7% em março, ante 2,6% em fevereiro, mostraram dados do governo.

  • Shanghai SE (China), +0,41%
  • Nikkei (Japão), +0,57%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -0,86%
  • Kospi (Coreia do Sul), +0,11% 
  • ASX 200 (Austrália), +0,47%

Europa

Os mercados europeus sobem também aguardando dados de inflação dos EUA, que provavelmente determinarão o caminho do ciclo de aperto monetário do Fed.

Os investidores também estão digerindo o último relatório de crescimento global do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado na terça-feira, que inclui sua previsão de crescimento de médio prazo mais fraca em mais de 30 anos.

As ações da Volvo são destaque, subindo 7,8%, depois que os resultados do primeiro trimestre superaram as expectativas. O lucro operacional foi ajustado para 18,4 bilhões de coroas suecas (US$ 1,77 bilhão), bem acima dos 12,9 bilhões de coroas previstos por analistas, segundo dados da Refinitiv.

  • FTSE 100 (Reino Unido), +0,62%
  • DAX (Alemanha), +0,23%
  • CAC 40 (França), +0,34%
  • FTSE MIB (Itália), +0,34% 
  • STOXX 600, +0,20% 

Commodities

Os preços do petróleo operam próximos à estabilidade nesta quarta-feira, depois que dados da indústria mostraram um aumento inesperado nos estoques de petróleo e gasolina dos EUA, compensando as preocupações sobre o aperto na oferta antes dos cortes na produção dos produtores da Opep.

Em um sinal de aperto do mercado, os contratos futuros de petróleo dos EUA caíram para trás, com o contrato do primeiro mês sendo negociado 6 centavos a mais do que no segundo mês.

As cotações do minério de ferro fecharam com leve alta na sessão de hoje.

  • Petróleo WTI, +0,01%, a US$ 81,54 o barril
  • Petróleo Brent, +0,06%, a US$ 85,66 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve alta de 0,25%, a 788 iuanes, o equivalente a US$ 114,50 

Bitcoin

  • Bitcoin, -1,05% a US$ 29.962,30 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

A agenda desta quarta-feira é marcada pelo CPI (Índice de Preços ao Consumidor, na sigla em inglês), um dos principais indicadores da inflação americana. A projeção é de avanço de 0,2% na base mensal, acumulando 5,2% no ano.

Além disso, há a publicação da ata da reunião do último Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

No Brasil, investidores aguardam pelas vendas do varejo, com consenso Refinitiv prevendo alta de 3,2% na base mensal e de 1,4% na base anual.

Brasil

9h: Vendas no varejo; consenso Refinitiv prevê alta de 3,2% na base mensal e de 1,4% na base anual

​9h: Roberto Campos Neto, presidente do BC, tem reunião com investidores, organizada pela XP Investimentos, em Washington D.C., EUA (fechado à imprensa)

Mont Capital - Carteira Administrada

11h30: Campos Neto se reúne com representantes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), da Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) e dos Bancos Bradesco, Itaú, Santander e Nubank, em Washington, D.C. (fechado à imprensa)

14h30: Fluxo cambial semanal

14h30: Campos Neto participa da Primeira Reunião de Ministros das Finanças e de Presidentes de Bancos Centrais dos BRICS, em Washington (fechado à imprensa)

16h30: Campos Neto participa da reunião do Steering Committee do Financial Stability Board – FSB, em Washington D.C.(fechado à imprensa)

18h30: Campos Neto participa da Reunião de Ministros das Finanças e de Presidentes de Bancos Centrais do G20

EUA

9h30: Inflação de março, com consenso Refinitiv projetando alta de 0,2% na base mensal e alta de 5,2% na base anual

15h: Ata do Fomc

3. Noticiário econômico

Novo arcabouço fiscal só vai ao Congresso na próxima semana

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, confirmou ontem que a proposta de lei complementar do novo arcabouço fiscal só será enviada ao Congresso na próxima semana, após o envio do Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2024 na sexta-feira. Segundo ela, as últimas mudanças não foram fechadas a tempo de o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, assinarem o texto antes de viajarem à China.

“Os técnicos do Planejamento e da Fazenda ainda fazem os últimos ajustes redacionais na proposta de arcabouço e não deu tempo de Lula e Haddad assinarem. Por isso o arcabouço e o PLDO não chegam juntos ao Congresso”, admitiu a ministra.

Tebet explicou que as últimas mudanças no texto ocorrem a pedido da própria Secretaria de Orçamento Federal (SOF) da sua Pasta. “Não foram pedidos do que vocês chamam de núcleo político, ou da casa Civil. Foram pedidos nossos. São quatro ou cinco ajustes e todas as sugestões foram acatadas pelos demais ministérios”, afirmou.

4. Noticiário político

STF marca julgamento de denunciados por atos golpistas

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a próxima semana o início do julgamento de 100 pessoas denunciadas pelo envolvimento nos atos golpistas de 8 de janeiro.

O julgamento será realizado no plenário virtual da Corte entre terça-feira (18) e segunda-feira (24). Na modalidade virtual, os ministros depositam os votos de forma eletrônica e não há deliberação presencial.

Os casos que serão julgados dizem respeito aos primeiros acusados que foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em janeiro e fevereiro ao participarem da invasão e depredação das sedes dos Três Poderes.

Pesquisa Ipec

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é considerado ótimo ou bom por 39% dos brasileiros, enquanto 26% o avaliam como ruim ou péssimo, demonstrou pesquisa Ipec divulgada na terça-feira, um dia após a gestão do petista completar 100 dias. Outros 30% classificam o governo Lula como regular e 6% não sabiam ou não quiseram responder à pesquisa.

A avaliação positiva do governo oscilou dois pontos percentuais para baixo — no último levantamento, em março, 41% consideraram a gestão como ótima ou boa. A avaliação negativa oscilou na mesma proporção para cima, de 24% para 26%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Mais da metade dos entrevistados — 54% — aprovam a maneira de governar do presidente, enquanto 37% desaprovam e 9% não souberam ou não responderam. Na pesquisa anterior a aprovação era de 57% e a desaprovação, de 35%.

O Ipec levantou ainda que 52% confiam em Lula e 44% responderam que não confiam no presidente. Em março, 53% confiavam e 43% não confiavam. A sondagem entrevistou 2 mil pessoas em 128 municípios entre 1º e 5 de abril.

5. Radar Corporativo

Americanas (AMER3)

A Americanas (AMER3) comunicou que a empresa e alguns de seus credores financeiros concordaram em suspender temporariamente suas disputas judicias em curso, de forma a permitir que as partes envolvidas foquem seus esforços na negociação de um Plano de Recuperação Judicial que seja aceitável para a maior parte dos credores da companhia e que viabilize o futuro operacional da Americanas.

A varejista espera que, durante esse período, as negociações culminem em um plano que conte com o apoio da maior parcela possível dos credores da Americanas e que possa ser submetido a uma Assembleia Geral de Credores dentro do prazo estabelecido pela legislação.

Embraer (EMBR3)

A fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3) e a sueca Saab divulgaram a assinatura de um memorando de entendimento com o objetivo de fortalecer a colaboração entre as empresas em diversas áreas, especialmente em desenvolvimento de novos negócios e na área de engenharia.

As companhias irão trabalhar em parceria para posicionar o C-390 Millennium como a solução preferencial para os requisitos de transporte aéreo tático da Força Aérea da Suécia, além de avaliar a integração dos equipamentos e sistemas da Saab na aeronave multimissão C-390.

Carrefour Brasil (CRFB3)

O Carrefour Brasil (CRFB3) acordou com os principais vendedores de ações do Grupo BIG Brasil uma redução de preço no valor total de até R$ 1 bilhão, a ser ajustado pelo CDI, em favor da companhia, em contrapartida à quitação de determinadas obrigações.

Os montantes acordados serão pagos da seguinte forma: (i) uma parcela fixa de R$ 350 milhões foi paga à companhia nesta terça-feira (11); (ii) uma parcela de R$ 550 milhões, ajustada pelo CDI, será paga até 31 de maio de 2024 (data de pagamento final); e (iii) uma parcela variável, a ser calculada conforme métrica acordada entre as partes, no valor de até R$ 100 milhões, ajustada pelo CDI, será paga até a data de pagamento final.

(Com Estadão, Reuters e Agência Brasil)

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados