calendar
Notícias

47 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Ata do Copom, Cielo (CIEL3) e mais: 5 coisas para saber antes de investir no Ibovespa (IBOV) nesta terça (6)

Ata do Copom, Cielo (CIEL3) e mais: 5 coisas para saber antes de investir no Ibovespa (IBOV) nesta terça (6)

Mercado Financeiro 2 minutos atrás
Visitar site arrow
Ata do Copom, Cielo (CIEL3) e mais: 5 coisas para saber antes de investir no Ibovespa (IBOV) nesta terça (6)
Ibovespa
Ata do Copom, relatório Focus e radar corporativo devem mexer com o Ibovespa nesta terça (6) (Imagem: REUTERS/Amanda Perobelli)

Ibovespa (IBOV) abriu o pregão desta terça-feira (6) em alta, avançando 0,32%, a 128.006 pontos, por volta das 10h04. Na véspera, o índice fechou o pregão volátil no azul, apesar da nova queda das ações da Vale (VALE3). O IBOV tenta se recuperar após um início de ano fraco.

dólar abriu em leve queda frente ao real, de olho na estabilização da moeda norte-americana no exterior após salto recente, com o foco em falas de dirigentes do Federal Reserve e após o Banco Central reforçar cautela com o afrouxamento monetário no Brasil em ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada mais cedo.

Day Trade:

Radar do Mercado:

5 assuntos que vão mexer com o Ibovespa nesta terça (6)

Ata do Copom

Banco Central divulgou nesta terça-feira (6) a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada nos dias 30 e 31 de janeiro.

Na ocasião, o Copom reduziu a Selic em 0,50 ponto percentual (p.p.), levando a taxa básica de juros para 11,25% ao ano. A decisão não pegou o mercado de surpresa, uma vez que os diretores do BC já haviam dado pistas sobre a decisão em atas anteriores.

E para próximo encontro, não será diferente. O texto afirma que, para “próximas reuniões”, uma redução de mesma magnitude ainda é apropriada para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário. O plural pode ser entendido, segundo já apontado por Roberto Campos Neto, como duas reuniões à frente.

Sobre o ciclo total de flexibilização, o Comitê enfatiza que a magnitude dependerá da evolução da dinâmica inflacionária. “O Comitê percebe a necessidade de se manter uma política monetária ainda contracionista pelo horizonte relevante para que se consolide a convergência da inflação para a meta e a ancoragem das expectativas”, apontou o documento.

Economistas mantêm projeções de inflação após Copom

Assim como o comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom), da semana passada, os economistas ouvidos pelo Banco Central deram um Ctrl+C/Ctrl+V no Relatório Focus, que continua sendo divulgado com atraso devido à operação-padrão dos servidores.

As projeções da inflação para 2024 permanecem em 3,81%, mesmo patamar da semana passada, após os 3,86% registrados anteriormente. Para 2025, a projeção do índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) permanece em 3,50%.

A previsão de inflação voltou para dentro do teto da meta: as metas de inflação para 2024 e 2025 são de 3% conforme estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Mont Capital - Carteira Administrada

Itaú (ITUB4) lucra R$ 9,4 bilhões no 4T23

Itaú Unibanco (ITUB4) encerrou o quarto trimestre de 2023 com lucro líquido recorrente de R$ 9,4 bilhões, alta de 22,6% em relação ao mesmo período de 2022, mostra documento enviado ao mercado nesta segunda-feira (5).

O número ficou acima do esperado pelo compilado da Bloomberg, que aguardava lucro de R$ 9,2 bilhões.

Já em 2023, o Itaú registrou resultado recorrente de R$ 35,6 bilhões, alta de 15,7% em relação ao ano anterior, e retorno recorrente sobre o patrimônio líquido (ROE) médio anualizado de 21,0%.

“Entre os fatores que mais influenciaram o resultado estão o crescimento da carteira de crédito, a maior margem com passivos, além do impacto positivo da reprecificação do capital de giro próprio”, argumenta.

Na avaliação do analista Fernando Siqueira, da Guide Investimentos, o impacto foi neutro. Tanto os resultados do quartro trimestre de 2023 quanto o guidance para 2024 estão em linha com o consenso do mercado.

“Continuamos vendo Itaú Unibanco como uma das melhores opções no segmento de bancos no Brasil”, pondera.

Cielo (CIEL3) apresenta resultados mistos; oferta pública de ações deve concentrar atenção

Cielo (CIEL3) deve deixar de ser uma companhia listada no Novo Mercado da B3, caso a oferta de compra de ações (OPA) lançada por seus controladores (Banco do Brasil Bradesco) seja bem-sucedida. Segundo fato relevante divulgado nesta segunda-feira (5), os bancos estão dispostos a pagar R$ 5,35 por ação da Cielo para adquirir a totalidade dos papéis em circulação.

O valor ofertado representa um ágio de apenas 6,36% sobre os R$ 5,03 com que o papel fechou hoje. Juntos, Banco do Brasil e Bradesco detêm 58,71% do capital da Cielo, que é representado por um total de 2,717 bilhões de ações ordinárias.

Além disso, a companhia reportou lucro líquido recorrente de R$ 480,8 milhões no quarto trimestre de 2023, queda de 1,9% em relação ao mesmo período de 2022, O analista Fernando Siqueira, da Guie, destaca que o lucro ficou em linha com o esperado.

“Acreditamos que a OPA não deve ser aceita pela maioria dos acionistas nestes termos. É possível que um aumento no preço da oferta seja feito em nossa visão, mas isto não deve ser feito no curto prazo”, avalia.

Vale (VALE3) dá novos esclarecimentos sobre futuro presidente

Vale (VALE3afirmou nesta terça-feira (6) que está avaliando a eventual renovação do contrato do atual presidente, Eduardo Bartolomeo, ou a realização de processo sucessório.

A decisão sobre o futuro da presidência da mineradora, que é de competência do conselho de administração, pode ocorrer até o término previsto do mandato em vigor. O contrato de Bartolomeo termina em 26 de maio de 2024.

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados