Assessora de Carlos pediu “ajuda” da Abin com investigação, diz PF

Assessora de Carlos pediu “ajuda” da Abin com investigação, diz PF
Assessora de Carlos pediu “ajuda” da Abin com investigação, diz PF

Relatório da PF (Polícia Federal) divulgado nesta 2ª feira (29.jan.2024) indica que a corporação identificou uma mensagem em que uma assessora do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) pede “uma ajuda” da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) com inquéritos contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus 3 filhos.

A conversa é entre Luciana Paula Garcia, que trabalhou com Carlos, e Priscilla Pereira, à época, assessora do então diretor da Abin, Alexandre Ramagem (PL-RJ).

Leia abaixo print de conversa entre Luciana e Priscila:

O relatório e o print constam na decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), que autorizou a operação deflagrada nesta 2ª feira (29.jan). Carlos Bolsonaro, Luciana, Priscilla e Giancarlo Rodrigues –também assessor de Ramagem– foram alvos da investigação. Eis a íntegra (PDF – 302 kB).

Segundo a PF, Luciana teria encaminhado para Priscilla um pedido de monitoramento da delegada da PF Isabela Muniz, responsável por duas investigações envolvendo Bolsonaro e seus filhos.

Os inquéritos solicitados não apresentaram “pertinência” com o ex-presidente e seus filhos, de acordo com a corporação. A investigação indica que havia apurações em andamento que também eram de interesse da família Bolsonaro, mas que não foram consultadas por falta dos números corretos dos processos.

Mont Capital - Carteira Administrada

A operação foi autorizada pela PGR (Procuradoria Geral da República), com exceção das buscas contra Priscilla. O órgão entendeu que a medida não é justificada no caso. Eis a íntegra do parecer da PGR (PDF – 216 kB).

Moraes, no entanto, afirma que as medidas são necessárias contra a assessora em razão de sua relação com Ramagem, indicado como “figura central” da investigação. De acordo com a PF, as “demandas” de Carlos Bolsonaro com o atual deputado não eram tratadas diretamente entre eles, só entre as assessoras.

ENTENDA A OPERAÇÃO

Carlos Bolsonaro foi alvo de operação da PF nesta 2ª feira (29.jan). Policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa do vereador, em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio de Janeiro e na casa de praia da família em Angra dos Reis (RJ).

A PF investiga se Carlos recebia informações ilegais da Abin. Ao todo, a corporação fez 9 buscas no Rio de Janeiro (5), Angra dos Reis (1), Brasília (1), Formosa (GO) (1) e Salvador (1).

Na semana passada, uma decisão do ministro Alexandre de Moraes, que autorizou a operação, revelou relatório da PF que indica que a gestão do ex-diretor da Abin, o atual deputado federal Alexandre Ramagem, supostamente teria “instrumentalizado” a agência para fins políticos, monitorando jornalistas, ministros do Supremo e adversários políticos do governo Bolsonaro.

Relatório da PF indica que Carlos participou do “núcleo político” da organização criminosa supostamente formada por funcionários da Abin que monitorou autoridades sem autorização judicial.