calendar
Notícias

610 publicados hoje

  • Home
  • arrow
  • arrow
  • Americanas (AMER3) vira lanterninha do e-commerce (para alegria da Amazon)

Americanas (AMER3) vira lanterninha do e-commerce (para alegria da Amazon)

Mercado Financeiro 11 meses atrás
Visitar site arrow
Americanas (AMER3) vira lanterninha do e-commerce (para alegria da Amazon)
Americanas amer3 amazon e-commerce vendas online comércio eletrônico varejo
Americanas (AMER3) se tornou a plataforma e-commerce menos querida pelo consumidor, após recuperação judicial (Imagem: Bloomberg)

Desde que a Americanas (AMER3) divulgou inconsistências contábeis da ordem de R$ 40 bilhões que a levaram à recuperação judicial, a empresa testemunhou sua posição no e-commerce erodir diante de suas principais competidoras.

O dado é parte de um monitoramento elaborado pela consultoria em tecnologia Similarweb, e veiculado em relatório do banco de investimento UBS BB, divulgado no último dia 11.

De dezembro para janeiro, mês em que o rombo foi anunciado, o relatório do UBS BB mostra que a Americanas registrou uma redução de 14% para 10% no número de visitas web mensais de consumidores. Entre janeiro e fevereiro, há uma nova queda de 3% no tráfego.

Com isso, a varejista tutelada pelo trio Lemann-Sicupira-Telles amarga agora a última posição entre os maiores players de e-commerce do Brasil, com apenas 7% do tráfego disputado no varejo digital.

O cenário do UBS BB converge com o do Itaú em BBA, que aponta que, de 11 de janeiro até o fim de fevereiro, a companhia perdeu cerca de 57% do tráfego em seu site.

Para Fernando Ferrer, analista de varejo da Empiricus Research, a queda do tráfego gera um impacto reconhecido, mas difícil de ser quantitativamente estimado sobre o GMV (total de mercadorias vendidas) da varejista.

A Americanas ainda não divulgou os resultados do último trimestre de 2022 e não deu indicações de quando divulgará os números do primeiro trimestre deste ano, tornando mais difícil uma análise das linhas de negócio da companhia.

O que se sabe é que a companhia está enfrentando dificuldades com fornecedores e precisando pagar à vista pelos produtos dispostos no seu e-commerce, uma vez que as operações de risco sacado foram inviabilizadas.

Essa nova realidade traz uma diminuição da variedade de mercadorias vendidas, que, aliada à perda de prestígio da plataforma, acaba espantando o consumidor.

Amazon e Shopee puxam o tapete da AMER3, mas também de outras brasileiras

Apesar de catalisador, o colapso financeiro tornado público no início de 2023 não é o ponto inicial do declínio da empresa, em termos de predileção do público.

Em dezembro de 2021, a Americanas era a segunda maior empresa do setor de e-commerce, detendo 21% do total do tráfego online e perdendo apenas para o Mercado Livre (MELI34) — a empresa argentina é a líder consolidada do e-commerce brasileiro há mais de seis anos. Dois meses depois, a Americanas começou a cair, chegando ao fim de 2022 com uma fatia de apenas 10%.

A série histórica levantada no período mostra que Shopee (braço de e-commerce da chinesa Sea Limited) e, sobretudo, a Amazon (AMZO34) foram as principais beneficiadas pela derrocada da Americanas.

Mont Capital - Carteira Administrada

As fatias das brasileiras Magazine Luiza (MGLU3) e Via Varejo (VIIA3) permanecem relativamente inalteradas.

Para Ferrer, o crescimento da Amazon e da Shopee no Brasil se dá de maneira orgânica e está vinculado ao tamanho continental do mercado brasileiro, visto como uma grande oportunidade para os players internacionais que possuem caixa, infraestrutura e logística para competir por mais consumidores.

No caso da Amazon, os analistas ainda destacam a prática de descontos agressivos em datas especiais, como o Prime Day, que acabam conquistando o consumidor para a compra do grupo de produtos que é  considerado uma especialidade da Americanas, qual seja, a linha de eletroeletrônicos.

Já para a Shopee, a aposta na venda de itens de baixo ticket vem rendendo frutos para a empresa no mercado brasileiro.

Mas o tempo bom para a Shopee pode estar acabando: a plataforma de e-commerce pode perder uma vantagem valiosa ante suas concorrentes, dada a  intenção do governo em tornar obrigatória a taxação sobre compras importadas, incluindo aquelas inferiores a US$ 50 (o que compõe o maior ticket médio das gigantes asiáticas).

Se esta medida será o suficiente para reviver a AMER3 dos mortos ainda é algo a ser conferido.

*Fonte: UBS BB, Similarweb.

Americanas tenta paz com credores

A Americanas tenta estender a bandeira branca com os principais credores no processo de recuperação judicial anunciado ainda em janeiro.

Segundo a varejista, a suspensão permitirá que as partes envolvidas foquem seus esforços na negociação de um plano de recuperação judicial aceitável para a maior parte dos credores e que ainda viabilize o futuro operacional da companhia.

A empresa diz esperar que “as negociações culminem em um plano que conte com o apoio da maior parcela possível dos credores da Americanas e que possa ser submetido a uma assembleia geral de credores dentro do prazo estabelecido pela legislação”.

Jorge Paulo LemannMarcel Telles e Carlos Sicupira considerariam adicionar até R$ 2 bilhões ao valor inalterado de R$ 10 bilhões. O montante adicional seria realizado em duas parcelas separadas em uma data futura se a alavancagem da companhia crescer muito ou se a liquidez cair abaixo de um nível não especificado, segundo o comunicado.

Mont Capital - Fale com um de nossos especialista

Relacionados